Pedro Guilherme

Ator, dramaturgo, produtor, diretor, formado em Bacharelado pela Escola de Comunicações e Artes da USP. Em 2020 criou, dirigiu, escreveu e atuou em parceria com a artista Flávia Couto o experimento on line O AMOR E A PESTE, baseado no relacionamento pessoal e artístico de Anais Nin e Antonin Artaud.  Atuou na peça CORPO de vários autores (Silvia Gomez, Carla Kinzo, Fernanda Rocha, Marcos Gomes e Lucas Mayor) e direção de Lucas Mayor e Marcos Gomes e participou da residência artística TEATRO AGONIZANTE do argentino Lisandro Rodriguézna MIT-São Paulo. Em 2019, participou como ator do Workshop “Théâtre Total” em Les Cabannes na França, curso ministrado por Roberta Carreri (Atriz do Odin Teatret) e Fábio Ezechiele Sforzini (Théâtre Des Grands Chemins). Em 2018, participou  como ator e produtor do Festival Damai Supre Live em Chengdu na China com o espetáculo AS ESTRELAS CADENTES DO MEU CÉU SÃO FEITAS DE BOMBAS DO INIMIGO, uma criação coletiva da Cia. Provisório-Definitivo dirigida por Nelson Baskerville que tem apresentações desde sua estreia em 2012.
Também em 2018, esteve em cartaz como ator em HAMLET EX-MÁQUINA de Heiner Muller, direção de Erika Bodstein; A MORTE ACIDENTAL DE UM ANARQUISTA de Dário Fo, direção de Hugo Coelho; e viajou pelo interior do estado de São Paulo pelo PROAC de Circulação como ator e produtor do espetáculo DADESORDEMQUENÃOANDASÓ de Davey Anderson, direção de Carlos Baldim, sendo a última montagem da Cia. Provisório-Definitivo, contemplado com o Prêmio Zé Renato de Teatro na época da sua estreia em 2016.
Em 2016, criou e concebeu o argumento e o roteiro da série COZIDO, FRITO E GRATINADO, projeto que teve supervisão de Roteiro de Luca Paiva Mello, ainda em estágio de produção.
Também no ano de 2016, esteve em cartaz como ator com o espetáculo HUIS CLOS – A PORTAS FECHADAS de Jean Paul Sartre com direção de Diego Mosckovitch. Em 2016, o espetáculo O ANIVERSÁRIO DA INFANTA, texto seu, estreou como um dos selecionados do 20º Cultura Inglesa Festival.
No ano de 2014, foi contemplado com o PROAC Nº 40 de Incentivo a criação literária – Texto De Dramaturgia para a pesquisa e criação de (A) DOR(A), texto teatral sobre a vida de Maria Auxiliadora Lara Barcelos, militante da VAR – PALMARES que foi presa, torturada e exilada no período do Regime Militar. Texto Vencedor do 2º Concurso Fetaerj de Dramaturgia Prêmio João Siqueira no Rio de Janeiro em 2015.
Responsável pela dramaturgia de GANGUE, que recebeu Prêmio Femsa de melhor espetáculo jovem de 2012. Escreveu também HISTÓRIAS POR TELEFONE, que ganhou o APCA de 2011 de Melhor Peça Infantil, com a qual Pedro também foi indicado ao Prêmio Femsa de Melhor Autor de Texto Adaptado em 2011. Assim como é dele a dramaturgia da Melhor Peça Infantil da Cultura Inglesa Festival de 2010, a peça PELOS ARES. E o reconhecimento do trabalho dramatúrgico dele começou em TODO BICHO TUDO PODE SENDO O BICHO QUE SE É, onde foi indicado ao Prêmio Femsa 2007 como Melhor Autor de Texto Original. Vale ressaltar também a parceria com Carla Candiotto no texto de A VOLTA AO MUNDO EM OITENTA DIAS, a parceria com Hugo Possolo na confecção de esquetes do espetáculo EX-FILHOS, a parceria com Vany Alves na roteirização de PRINCESA, EU?, e por último a escrita colaborativa com Nelson Baskerville no espetáculo AS ESTRELAS CADENTES DO MEU CÉU SÃO FEITAS DE BOMBAS DO INIMIGO, onde Nelson Baskerville está indicado ao Prêmio Shell.
Formado pela ECA-USP em Bacheraledo – Interpretação Teatral (2001), trabalhou 6 anos com o grupo Parlapatões. Também ganhou prêmios como o Prêmio de Ator Coadjuvante no 7º Festival de Teatro de Americana com CARRO DE PAULISTA (2003). E com VERDADES, CANALHAS: Ator Revelação no 16º Festivale 2001, S. J. dos Campos; Melhor Ator no 8º Festival de Teatro do Rio UVA 2001. RJ e Melhor Ator no 7º Festival Curta Teatro.

Alguns trabalhos dele como Ator:
AS ESTRELAS CADENTES DO MEU CÉU SÃO FEITAS DE BOMBAS DO INIMIGO; GANGUE; JULIETAS, direção de Vany Alves (2011); PELOS ARES (2011); FAMÍLIA DRAGÃO, também de sua autoria, direção de Soledad Yunge (2009); TODO BICHO TUDO PODE SENDO O BICHO QUE SE É, (2012-06); DE ONDE O SOL SE ESCONDE – HISTÓRIAS DO JAPÃO, texto em parceria com Paula Arruda, direção de Paula Arruda e Pedro Guilherme (2011-2008); EX-FILHOS, direção de Hugo Possolo (2006); PAIS E FILHOS, direção de Adolf Shapiro com a Mundana Cia. de Teatro; OS PENETRAS de Mike Leigh, direção de Mauro Baptista Vedia (2011-10); CELEBRAÇÃO de Harold Pinter, direção de Eric Lenate (2011-09); TAPE de Stephen Belber, direção de Mário Bortolotto (2011-08) e JUCA BRASILEIRO (2008-07) e O SOL NASCEU PRA TODOS (2008-07) ambos de Patrícia Secco, direção de Vany Alves; NUNCA SE SÁBADO de vários autores – Espetáculo de esquetes cômicos integrando o grupo “Ex-Filhos”, direção de Hugo Possolo (2007-05); NUNCA SE SÁBADO… REVISTANDO 2005 de vários autores – Espetáculo de esquetes cômicos integrando o grupo “Ex-Filhos”, direção de Hugo Possolo, direção geral de Isser Korik (2006); POSTCARDS DE ATACAMA texto e direção de Mário Bortolotto (2005); AUTO DOS PALHAÇOS BAIXOS texto e direção de Hugo Possolo (2007-04); O COLECIONADOR de John Fowles, adaptação de David Parker, adaptação e tradução livre de Juca de Oliveira, direção de Marcos Loureiro (2006-04); AS NUVENS E/OU UM DEUS CHAMADO DINHEIRO de Aristófanes, adaptação e direção de Hugo Possolo (2005-04); NATAL MÁGICO DO CASTELO de Flávio de Souza, direção de Mira Haar (2003); UM CHOPES, DOIS PASTEL E UMA PORÇÃO DE BOBAGENS de Mário Viana, direção de Hugo Possolo (2010, 2008, 2006, 2004-03); BULGÓIA, REPENIQUE & TROPEÇO de Hugo Possolo e Arnaldo Soveral, direção de Cris Lozano (2005-03); TEATRO DO CASTELO RÁ-TIM-BUM de Flávio de Souza, direção de Mira Haar (2002); SARDANAPALO texto e direção de Hugo Possolo (2005, 2002); TÍBIO E PERÔNIO EM POR QUE, PRA QUE de Flávio de Souza, direção de Mira Haar (2002); PANTAGRUEL de Mário Viana e Hugo Possolo, direção de Hugo Possol (2002-01).

No Cinema: Curta-Metragem DIVINA MALANDRAGEM, direção de Diogo Miranda (2005); Tele-filme A PERFORMANCE, direção de Mauro Baptista Vedia e Luis Dantas -TV Cultura; Festival de Biarritz – França (2012); LASCADOS, direção de Vitor Mafra(2014).

Na Televisão: AMOR E REVOLUÇÃO – Participação na novela de Thiago Santiago, direção geral de Reynaldo Boury – SBT (2011); LABORATÓRIO DE HUMOR DA TV GLOBO – Oficina preparatória de humoristas (2010); TEATRO RÁ-TIM-BUM – Gravação da peça de autoria própria TODO BICHO TUDO PODE SENDO O BICHO QUE SE É – TV Cultura (2007); ÁLBUM DE CASAMENTO – Programa de Denise Fraga no FANTÁSTICO – Episódio “Stelinha” – Rede Globo (2005); JORNAL FELIZ – Piloto de um seriado – Participação em dois episódios (2004).