Dramaturgia Transatlântica

Dramaturgia Transatlântica

Ciclo de dramaturgia contemporânea

A língua portuguesa é o órgão deste ciclo de leituras encenadas, a identidade de dramaturgas e dramaturgos, a voz de atrizes e atores. É esta língua que compõe o corpo das diversas identidades e suas diversidades, é a própria diversidade da língua que torna a dramaturgia lusófona um universo ímpar no teatro contemporâneo. Um corpo feito a partir de diversas origens unido pelas palavras, ideias e pensamentos da lusofonia.

Com o propósito de aproximar dramaturgos, atores e público, a 33 Ânimos pretende valorizar cada vez mais a dramaturgia lusófona, sendo este o primeiro passo para divulgar autores que estão a escrever teatro em português, sem que qualquer barreira possa afastar os dramaturgos do seu público potencial.

A primeira edição deste ciclo contou com textos de Portugal e do Brasil, através de peças de autores contemporâneos que representam o teatro feito nos dois países, autores que têm como centro da sua criação uma voz política que questiona os paradigmas das sociedades contemporâneas. Nas próximas edições a 33 Ânimos convida autores africanos a juntarem-se a esta odisseia de divulgar a dramaturgia lusófona contemporânea. Acima de tudo, pretendemos que Dramaturgia Transatlântica possa ser, no futuro, o mais plural possível.

Dramaturgia Transatlântica aconteceu em simultâneo no Brasil e em Portugal, e a Livraria da Travessa foi o palco do ciclo de leituras. A apresentação no Brasil foi o resultado da parceria entre a 33 Ânimos e A Digna, companhia de teatro de São Paulo.

3 de fevereiro:

  • Mantenha fora do alcance do bebé, de Sílvia Gomez, com leitura de Ana Paula Csernik, Daniela Rosado e Wagner Borges.
  •  Esqueletos vivem dentro de sonhos, de Ricardo Cabaça, com leitura de Carla Bolito, Carla Galvão e Pedro Gil.

4 de fevereiro:

  • A mulher-bala, de Cláudia Lucas Chéu, com leitura de Virgílio Castelo.
  • Verniz náutico para tufos de cabelo, de Victor Nóvoa, com leitura de Ana Água e Erica Rodrigues.

5 de fevereiro:

  • Kaim, de Dione Carlos, com leitura de Mauro Hermínio.
  • O meu suicídio preferido, de Mickaël de Oliveira, com leitura de Paulo Pinto, Pedro Lacerda, Raquel Castro e Solange Freitas.

3, 4 e 5 de fevereiro | 19.30h. | Livraria da Travessa (Casa Pau Brasil) | Rua da Escola Politécnica, 42-46 – Príncipe Real (Lisboa).

Um projeto 33 Ânimos, em parceria no Brasil com A Digna, com o apoio da Livraria da Travessa e da Casa Pau Brasil.